17.6.12

Meus tempos de ginásio

Chamava-se Colégio Jabaquara e ficava no bairro de São Judas Tadeu, mais exatamente na Av. Jabaquara 2925 onde está hoje o prédio da ABIMAQ ao lado do atual Supermercado Wal-Mart, onde naquela época era a Fabrica de Vidros Wheaton. Ocupando o outro lado da esquina ficava o Colégio Almirante Barroso que se mantém lá até hoje.
Eu morava na Rua das Camélias, exatamente na casa que agora voltei a usar com o falecimento de meus pais.
O período era de 1960 a 1963, lembro-me dos diretores Prof. Arnaldo Cataruzzi e Prof. Fontes. Professor Orlando, já bem idoso, lecionava matemática, nos dias de prova inspecionava todas as carteiras e até as cortinas da sala de aula em busca de colas, Prof. Cataruzzi lecionava Latim e Português um professor que eu estimava muito, rigoroso mas muito bondoso e amigo, Prof. Borelli lecionava Geografia e tinha um método de ensino bastante avançado para a época, por exemplo: para facilitar a memorização dos rios da Itália contava uma história "O Tigre roda no pó" Nunca mais me esqueci que na Itália existem rios com os nomes "Tigre, Ródano e Pó"! Espiridião Kasfiks era o professor de Inglês, o melhor que já tive na minha vida, infelizmente veio a falecer e foi substituído por uma professora que não me recordo o nome e que era o oposto dele. O Prof. de música era o Antônio Fratantônio, grande figura, nos encantava contando fatos sobre o grande Heitor Villa-Lobos, de quem foi amigo e naquela época recentemente falecido. Havia um professor, que não me recordo o nome, ele no final das aulas devolvia as cadernetas, onde a secretaria anotava o comparecimento do aluno, atirando-as girando em direção ao aluno, motivo isto de grande algazarra e farra. Dona Ziza administrava a secretaria da escola e nos colocava de castigo quando éramos expulsos da sala de aula e para lá eramos levados pelo Sr. Álvaro, fiscal de alunos, magro, sempre de terno preto e óculos escuros.
Os colegas de que me lembro: Cardinali, cujo pai era despachante, Yutaka, Jordão, Reinaldo, Elias, Hamilton, Dulce, Beatriz, Dalva, Verônica, esta última era fã incondicional do Elvis Presley e seus cadernos eram encapados com a figura do astro que na época estava no auge da carreira. E muitos outros e outras de que peço desculpas mas não me recordo o nome, afinal se passaram quase 50 anos.
Sempre estudei no período da manhã, saiamos por volta do meio dia e o passeio que sempre rolava era a visita ao saguão do Aeroporto de Congonhas onde haviam lojas de discos, perfumarias, papelarias e presentes, etc. Tomávamos o ônibus Aeroporto – Perdizes, linha recém-inaugurada e descíamos na entrada do aeroporto onde era o ponto final.
Rolavam os primeiros namoros e as músicas que mais tocavam nos rádios e lojas de discos eram: “Ronnie Cord – Biquíni Amarelinho” – “Ray Charles – Stella by Starlight” – “Roberto Carlos – Malena” e “Doce Amargura com Moacyr Franco”. O café da ala internacional de Congonhas eu nunca vou esquecer, pagava-se e recebia-se uma ficha de papel que era entregue no balcão. A funcionária recolhia a ficha e colocava uma xicara larga de porcelana com um pires de alumínio e uma colherinha. Colocava-se o açúcar a gosto e lá vinha uma outra funcionária segurando um bule gigantesco pela alça e apoiado em baixo com um pano molhado enrolado e ela com uma prática incrível embicava aquele bule na direção de cada xícara e colocava a quantidade certa de café sem nunca derramar uma gota sequer, e era bem gostoso aquele café!


O transporte da Praça da Árvore para São Judas era um caso à parte: Os bondes das linha 66 – Praça João Mendes – São Judas Tadeu e os da linha 104 – Santo Amaro – São Judas Tadeu ambas que foram inauguradas em 1955 e extintas em 1966. Os bondes nessa época a maioria eram  abertos e tinham um bonde reboque que provavelmente eram os antigos bondes puxados a burro, sim porque os bondes abertos que rodavam naquela época eram todos do início do Século 20. 


Posteriormente esses bondes foram reformados e já em 1963 eram todos fechados, os famosos camarões iguais ao da foto. E as propagandas nos bondes? A mais famosa era de um medicamento chamado “Rhum Creosotado”: "Veja, ilustre passageiro, o belo tipo fagueiro que o senhor tem ao seu lado. No entanto, acredite. Quase morreu de bronquite! Salvou-o o Rhum Creosotado." Mais tarde soube que estes versos são atribuídos a Bastos Tigre, o mesmo que criou o slogam “Se é Bayer é Bom!”, ou os versos seriam de Ernesto de Souza, o dono do laboratório que fabricava o famoso medicamento?, já que existe uma polêmica acerca desta autoria, mas isto é outra história.
Havia um ponto de parada em frente da Igreja de São Judas e o outro já era na Av. Irerê. Então pedíamos ao motorneiro, (era assim que chamava-se o motorista do bonde) que diminuísse a velocidade no cruzamento da Av. Indianópolis e todos descíamos com o bonde em movimento, até o dia em que dei de cara com uma árvore, saindo com o nariz esfolado. Os bondes seguiam pela Av. Jabaquara, entravam na Av. Irerê, dobravam à esquerda na Rua Guaiaós onde faziam ponto final ao lado da Caixa de Água. Essas ruas eram de terra e quando chovia só os trilhos ficavam acima das poças de água. Era ali que travávamos o freio manual do bonde reboque e quando o motorneiro saía pela Av. Ceci em direção à Av. Jabaquara, sentia o bonde pesado, já que as rodas do reboque estavam travadas. Parava o veículo no meio da rua, se dirigia ao reboque e rapidamente destravava o freio não sem antes gritar: “Moleques filhos da puta!” com um sotaque típico português, já que quase todos eles eram dessa nacionalidade.
Para voltar para casa a farra era pedir carona para economizar o dinheiro do bonde, muitos motoristas paravam e davam carona, os tempos eram outros! Lembro-me de um ônibus da Willys Overland (fábrica do Jeep) que voltava de São Bernardo do Campo vazio e o motorista parava e nos dava carona. Era um ônibus de viagem com bancos com encosto de cabeça, recentemente fabricado, muito macio, idêntico a esse da foto. 


Só existia a Igreja antiga de São Judas Tadeu e como ainda é até hoje, passava-se por um corredor entre a imagem principal da igreja e o altar.  O presépio que era montado na época de natal era uma obra de arte, ficávamos até mais de uma hora e sempre descobríamos novos detalhes.
Eram anos dourados, éramos felizes e não sabíamos, no final de 1963 meu pai me tirou do Colégio Jabaquara para uma escola pública devido a eu ter tomado bomba, exatamente da mesma maneira que acabo de fazer com meu filho Thiago, 48 anos depois dos fatos aqui narrados.



Marcadores:

5 Comments:

At 11:07 AM, Blogger Sara said...

O que é um lugar bonito, espero que em algum momento têm a oportunidade de ver mais fotos como você está, porque eu gosto de conhecer o passado da minha cidade, eu espero para ver fotos de Jabaquara

 
At 1:37 PM, Anonymous Wagner Tadeu Matioli said...

Olá!

Ler o que você escreveu, fechando os olhos a cada parágrafo lido, é como viajar no túnel do tempo.

O Meu nome e Wagner Tadeu Matioli, no Ginásio Jabaquara era mais conhecido como "Matioli", e na quela época eu estudava à tarde, mas penso que os professores eram os mesmos, ou quase. Professor Arnaldo Cattaruzzi, além de diretor era também o professor de português e de latim. Professor Orlando lecionava matemática e era muito nervoso e severo. Professor Conrado, ensinava história geral. Professor Valentim, por sua vez, geografia. Professor Speridion (não sei se é assim que se escreve), dava aulas de inglês com um sotaque todo britânico.

Quando terminei o ginásio, fui trabalhar na fábrica de roupas AB, situada na Rua Professor Souza Barros, e no ano seguinte, 1964, meu irmão me levou para a empresa onde trabalhava, a Vidros Viton Ltda, do Grupo Wheaton do Brasil S/A (mais conhecida como "Fabrica de Vidros), na qual trabalhei de 1964 a 1978.

Obrigado por compartilhar essa página do seu blog com as pessoas que, direta ou indiretamente, também viveram experiências como as suas.

Um forte abraço.

Wagner Tadeu Matioli

 
At 2:57 PM, Blogger Wagner Tadeu Matioli said...

Acabei de criar um Blog para publicar (ou pelo menos tentar) as minhas memórias das décadas nas quais vivia em São Paulo, cidade onde nasci e morei por mais de 60 anos.

Parabéns pelo seu interessantíssimo blog e até mais!

Vô Matioli (Wagner Tadeu Matioli)

 
At 5:08 PM, Blogger Neusa de Mello da Silva said...

Em 1957, cursei a segunda série do ginásio no querido Ginásio Jabaquara. Lembro-me de alguns professores, entre eles o professor de inglês, Francisco Espiridião que era egípcio, mas residia no Brasil há muito tempo e cujos familiares moravam perto de Presidente Prudente, se não me falha a memória, em Presidente Epitácio. Outro professor que não me esqueço era o Arnaldo, que ensinava matemática, um ótimo professor, muito rígido mas excelente professor. Lembro-me ainda da professora Ceci, magrinha, sofria de algum problema respiratório, acho que bronquite. Ás vezes ela resolvia dar algumas receitas de doces e bolos.Quanto ao professor Espiridião lembro-me ainda de algumas músicas que ele dava em aula, por exemplo; "Clementine", "Only you", além de alguns versinhos para guardarmos diferenças nas colocações de palavras na frase, por exemplo "like".Nessa época eu residia na antiga Rua Caetité, atual Antonio Gebara e ia à pé ao ginásio. No ano seguinte, 1958, passei a estudar no Colégio Santa Amália. Ah me esqueci de dizer, o Diretor era o mesmo.

 
At 3:08 PM, Blogger NILZA DEQUECH said...

Fui aluna do Ginásio Jabaquara ,fiz parte da 1ª turma formada em 1953 quando fizemos
uma linda colação de grau no Teatro João Caetano, com a presença de todos os professores.Lembro como você, do brilhante professor Cataruzzi, severo , mas tão humano e tão competente, prof. Fontes de mateática, esposo da profª Jael que nos dava aula de francês, da professora Nancy de educação Fisica ,que nos preparava para os desfiles de 7 de Setembro, quando disputavamos com os meninos as melhores atuações de ginastica ,na apresentação artistica no gramado do estádio do Pacaembú Eram varias escolas que participavam formando grupos fem. e masc.Tudo era feito com muito empenho ,dedicação ,e muito orgulho de ser ¨ Brasileiro¨.
Quando li sua narrativa,retornei ao passado que como você diz ¨nos eramos felizes e não sabiamos.Obrigada pela oportunidade de lembrar que me proporcionou meu nome é Nilza Raphaella Lazzari, hoje com 79 anos e com muita saudade do tempo tão bom que passou.

 

Postar um comentário

<< Home